1 de fev de 2011

A Bailarina

Seu plasma, feito de melodias esquecidas. As hemácias, notas musicais cortantes.
A ausência de cor em seu semblante é só o reflexo da atual imobilidade. Falta a alegria da hemoglobina, que se recusa a existir pela morte dos movimentos.
A morte dos movimentos?
Após meses de lágrimas copiosas, cansada de lamentar o próprio infortúnio, decidiu que não aceitaria a inconveniência imposta pelo destino. Seu amor a dança era maior que a própria vida, maior que os olhos do mundo e ultrapassava qualquer tipo de NÃO que pudesse existir.
Trancou-se no quarto e recusou todas as visitas. Abraçou sua companheira cromada. Amarrou a fita vermelha no cabelo e desenhou no espelho seu novo rosto, sua nova forma. Estudou seu corpo como nunca antes fizera.
Arranhou as pernas como ato de protesto. Berrou as dores da negação. Cantou as glórias que um dia teve. Escreveu uma promessa. Ficou silente. Gemeu.
Hesitou.
Inspirou fundo.
Jurou não fugir de si - Leu a promessa.
Meneou a cabeça, considerando possibilidades. Notou que seu coração acelerava... Optou por ignorá-lo.
Presenteou seu rosto com a mais linda pintura. Quis se convencer de que era capaz.
Rogou aos deuses, demônios, santos, duendes, gnomos, seres de outras constelações para que a segurassem caso algo saísse errado (como se houvesse algo pior do que não tentar).
Suspirou.
Tateou seu corpo e a amiga de metal. Uma vez reconhecida, começou a girar.
Vez e outra um urro agônico.
Zonza, foi ao chão.
Levantou... E recomeçou.
Com quedas involuntárias e voluntarias, giros descompassados e saltos imaginários ela dançava ao som de sua tristeza. A voz rouca emitia algo que, ao longe, lembraria o Lago dos Cisnes ou uma música qualquer. Isso não importava pra ela.
Com a porta trancada lá permaneceu.
Dias e dias passaram. Abria uma fresta para receber alimentos que fingia ingerir e que acumulava no canto contrário do quarto. Cada vez mais fraca e convencida, a bailarina se alimentava da dança que não mais tinha, dos passos que não mais dava, dos saltos que não mais sabia.
Um dia ela não abriu a porta. Não se ouviu mais lamentos. Nem os estrondos da cadeira de rodas.
Assim feneceu a bailarina - permitindo que a tristeza corroesse seu sangue desnutrido. E eu, simples caixa de música, nada pude fazer para impedir - somente assistir ao fim elegante de minha dona silente.
Adeus, minha bailarina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário